sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Tão louca, assim como eu!

Por Michelle Morelo
Este é o meu reflexo no espelho: pele morena marcada de sol, olhos negros, cabelo crescendo abaixo do ombro, sem corte e bagunçado, falta-me um brinco na orelha (perdi mais um par). Unhas mal feitas, corpo com uns quilinhos a mais, short justo demarcando as coxas. Pés descalços. Sorriso aberto com algumas marcas de expressão (talvez, seja o tempo chegando vagarosamente).
O meu reflexo reflete como eu me vejo.
Reflete uma garota animada por ser sexta-feira. Cansada pela semana de trabalho. Preocupada por suas escolhas.
E se eu me olhar mais a fundo verei uma garota esperançosa, uma esperança pelos dias que virão. Ansiosa pelos momentos que lentamente surgem a cada nascer do sol.
E se eu for mais fundo até onde os olhos não podem enxergar, os ouvidos não podem ouvir e a boca não pode falar, de quem é esse reflexo parado imóvel em frente ao espelho?
Seria engraçado, mas imaginei alguem parando ao meu lado, alguem que me desconhece e que responderia de quem ser esse reflexo. Muitas respostas poderiam surgir.
Milhares de respostas retrariam uma única pessoa.
As aparencias enganam e disfarçam o que se realmente é.
Ninguém irá olhar para mim assim como o outro olha, e nem como eu me olho.
Cada um terá sua imagem representada sobre o que se vê.
Por isso, ignoro o que os outros acreditam sobre mim: pois sou retrato estampado da minha própria imagem, indecifrada e codificada numa linguagem não explorada, nem mesmo por mim!
E por fim, caso me digam que sou uma louca, que eu seja tão louca, assim como eu!


P.S: Loucuras!

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Uma Carta ao Moço de Armadura

São 21:17 em Cuiabá-MT, do dia 27 de setembro de 2012.

Na mesa um vinho Santa Helena, só para lembrar o seu gosto antes de dormir.
Na cama, alguns livros desarrumados para estudar, afinal, acabou-se o que era doce.
O incenso faz cheirar o ambiente: cravo e canela.
E na minha cabeça, letras e letras de coisas não ditas.
Dizem que coisas não ditas podem engasgar, dar nó e sufocar!
Se eu segurar as palavras elas podem sair como um vômito! Ou pior como espada afiada!

Algumas pessoas colocam limites nas relações que criam [...]
"Limita-se as diversas possibilidades do viver!"

Mas quem decretou que se teria um limite a ultrapassar naquela manhã de segunda em que ficamos horas conversando na cama?
E onde está a lei que diz que há limites no gostar?
E que se pode medir o gostar em uma escala comparativa?
E faz sentido não ter afeto, ser frio e indiferente quando se gosta, ou é medo?
E se o encaixe der certo isso é motivo para temer?
Por que algumas pessoas não se permitem a simplesmente viver e pagar para ver? (no meu caso pago Heinekens)

A maioria das pessoas não gostam de serem questionadas [...] 
Mas penso que para cada ponto de interrogação deveria haver um ponto final e uma brecha para as reticências [...]
Reticências é um símbolo mágico, três pontinhos que como Mario Quintana disse: "São os três primeiros passos do pensamento que continua por conta própria o seu caminho."

Mas agora, não há perguntas, nem ponto final [...]

O moço da armadura de Pégasus me conquistou e fez valer cada segundo.
Assim como veio se foi!
Só restaram reticências [...]

São 21:35 ao som de Ana Cañas: "Procuro a solidão como ar procura chão..."
-
-
P.S: Dúvida.