terça-feira, 2 de outubro de 2012

Inv(f)erno

Lá fora a chuva cai, grossas gotas fazem melodia nas poças d'agua. 
O vento sopra as cortinas, num uivo intimidador. 
A temperatura cai bruscramente. Sinto frio. 
Uma camiseta achada ao acaso no guarda roupa veste a parte superior. 
Já as pernas um cobertor qualquer. Me aqueço. 
Mas o coração, AH O CORAÇÃO! 
Este sinto a congelar.
Neva em minhas veias. 
Cubos de gelo passeiam livremente por caminhos estreitos e tortuosos 
causando pequenas sensações de calafrios.
Suspiros infinitos em tentativas de conter esse clima que se espalha rapidamente.
Em vão. 
Pensamentos mil, devaneios.
Petrifica-se os desejos.
Hiberna-se o AMOR.
Para que em algum verão venha a se aquecer.
Pegar fogo e arder de paixão!

P.S: Esperança!

Nenhum comentário:

Postar um comentário