terça-feira, 9 de abril de 2013

Contradição

Já dizia o Teatro Mágico somos sujeitos da contradição...

E pois é que somos!
Tanto eu quanto você.

Eu vivendo meu dilema de demonstrar sentimento e de me entregar, mas o medo me faz recuar, um medo de ser negada, de ser trocada mais uma e mais uma vez. E eu me questiono se talvez eu tenha sido boa pra você, ou se talvez eu tenha sido maravilhosa para você, e isso seja muito, muito para suportar.

E você me vem cheio de argumentativas, clichês racionais que cansei de ouvir e que nada ou muito representam você, qual será seu medo? Qual sua dificuldade de tentar?

Ao mesmo tempo que me aproximo, me distancio.
Ao mesmo tempo que se distancia, se aproxima.
Momentos de fogo e paixão.
Momentos de fogo e vazão.
Um pouco mais de vinho para abrir sorrisos.
Um pouco menos de sorrisos ao se abrir o vinho.
As carícias mais picantes eu pensei.
As carícias mais picantes eu desejei.
Meu corpo, minha vontade, meus suspiros.
Meu cansaço, meu esforço, meus suspiros.
Minha parte emocional se recolhe.
Minha parte racional me limita.
Recados de saudade.
Recados de ausência.

No meu corpo só lembranças.
No seu corpo só... O que restou para você?

Vivemos a contradição da presença e ausência, dos desejos e dos medos, de querer e não tentar, de amar e não sofrer!

Boa semana!
P.S: decisão!

Nenhum comentário:

Postar um comentário